TI | MAIS DADOS DIGITAL

A presente Política de Privacidade (“Política”) descreve de forma simples, transparente e objetiva o tratamento de dados pessoais obtidos dos usuários (“Titular”) durante o acesso aos conteúdos do Site, Aplicativo Mobile desenvolvido e/ou provido pela Mais Dados, em cumprimento às determinações da Lei 13.709/2018 – Lei Geral de Proteção de Dados (“LGPD”).

Através desta Política, o Titular será informado:

i. Quais dos seus dados pessoais tratamos;

ii. Como usamos seus dados pessoais;

iii. Como protegemos seus dados pessoais;

iv. Com quem os seus dados pessoais podem ser compartilhados;

v. Quais são os direitos dos Titulares em relação ao tratamento de seus dados pessoais;

vi. O canal de comunicação a ser utilizado pelos Titulares para o exercício de seus direitos.

1. Glossário

1.1 Para facilitar a compreensão dos termos técnicos dispostos nesta Política, explicamos alguns conceitos básicos utilizados:

• Agentes de tratamento: termo que abrange os conceitos de controlador e operador de dados pessoais, conforme conceituado na Lei 13.709/2018.

• Anonimização: técnica de processamento de dados, por meio da qual um dado perde a possibilidade de associação, direta ou indireta, a um indivíduo.

• Autoridade Nacional de Proteção de Dados: órgão da administração pública federal, integrante da Presidência da República e responsável por fiscalizar e regular a aplicação da Lei 13.709/2018.

• Bloqueio: suspensão temporária de qualquer operação de tratamento, mediante guarda do dado pessoal ou do banco de dados.

• Compartilhamento de dados: comunicação, difusão, transferência internacional, interconexão de dados pessoais ou tratamento compartilhado de bancos de dados pessoais, com autorização específica entre entes públicos ou privados.

• Consentimento: manifestação livre, informada e inequívoca pela qual o titular concorda com o tratamento de seus dados pessoais para uma finalidade determinada.

• Conteúdo: qualquer informação, dados, comunicações, software, fotos, vídeos, gráficos, música, sons e outros materiais e serviços que podem ser visualizados pelos titulares em Site, Aplicativo Mobile, incluindo mensagens, conversas, bate-papo e outros conteúdos originais.

• Controlador de dados: pessoa natural ou jurídica, de direito público ou privado, a quem competem as decisões referentes ao tratamento de dados pessoais.

• Cookies: arquivos pequenos salvos no computador do usuário que armazenam preferências e outras informações usadas nas páginas da internet que visitam.

• Dados manifestamente públicos: dados publicados e compartilhados abertamente pelo Titular.

• Dados pessoais: todos os dados relacionados à pessoa natural, identificada ou identificável.

• Dados pessoais anonimizados: dados relativos a titulares que não possam ser identificados.

• Dados pessoais sensíveis: dado pessoal sobre origem racial, étnica, convicção religiosa, opinião política, filiação a sindicato ou a organização de caráter religioso, filosófico ou político, dado referente à saúde ou a vida sexual, dado genético ou biométrico, quando vinculados a uma pessoa natural.

• Eliminação: exclusão do dado ou de conjunto de dados armazenados em banco de dados, independentemente do procedimento empregado.

• Encarregado: pessoa indicada pelo controlador e operador para atuar como canal de comunicação entre o controlador, os titulares de dados e a Autoridade Nacional de Proteção de Dados (ANPD).

• Finalidade: princípio da Lei 13.709/2018 que prevê a realização do tratamento para propósitos legítimos, específicos, explícitos e informados ao Titular, sem possibilidade de tratamento posterior de forma incompatível com essas finalidades.

• Incidente de segurança: evento adverso, confirmado ou sob suspeita, relacionado à segurança de sistemas de computação ou serviços de computadores.

• Legítimo interesse: base legal que permite a realização de atividade de tratamento de dados para atender interesses legítimos do controlador ou de terceiros.

• Operador de dados: pessoa natural ou jurídica, de direito público ou privado, que realiza o tratamento de dados pessoais em nome do controlador.

• Tratamento de dados: toda operação realizada com dados pessoais, como as que se referem a coleta, produção, recepção, classificação, utilização, acesso, reprodução, transmissão, distribuição, processamento, arquivamento, armazenamento, eliminação, avaliação ou controle da informação, modificação, comunicação, transferência, difusão ou extração.

2. Princípios das atividades de tratamento de dados pessoais

2.1 Esta Política foi criada com o objetivo de reiterar o compromisso da Mais Dados com a segurança, privacidade, acessibilidade e transparência nas atividades de tratamento dos dados pessoais a partir de nosso canal: Site e Aplicativo Mobile.

2.2 Toda e qualquer atividade de tratamento de dados pessoais descrita será regida pelos princípios da finalidade, adequação, necessidade, livre acesso, não discriminação, prevenção, qualidade dos dados, segurança, transparência, responsabilização e prestação de contas.

3. Objeto de tratamento de dados pessoais

3.1 Por meio desta Política, o Titular está ciente do tratamento dos dados pessoais a seguir descritos:

● Dados de login: nome, setor, e-mail e telefone.

● Dados coletados pelo Google Analytics: (Cookies de terceiros): tipo de dispositivo de acesso e localização.

4. Finalidade de tratamento de dados pessoais

4.1 A Mais Dados realiza as atividades de tratamento de dados pessoais de Titulares de forma transparente, limitando-se ao mínimo necessário para o cumprimento das finalidades lícitas e específicas, descritas abaixo:

● Confirmação da identidade do usuário para login na plataforma.

● Identificação por localização das regiões que mais acessam nosso site.

● Adaptação da visualização da plataforma para o dispositivo do usuário.

4.2 A Mais Dados excluirá as informações armazenadas de Titulares quando a finalidade para a qual o dado foi tratado for alcançada, ou quando os dados pessoais deixarem de ser necessários para alcançar tal finalidade.

4.3 A exclusão também ocorrerá quando houver revogação do consentimento pelo Titular, nas hipóteses em que este se fizer necessário, e mediante determinação da autoridade competente para tanto.

5. Coleta de Dados Pessoais

5.1 A Mais Dados coleta dados pessoais dos Titulares da seguinte forma:

● Através do cadastro do usuário.

● Por meio do acesso a plataforma, seja via aplicativo ou site.

5.2 A Mais Dados também obtém dados pessoais automaticamente do Titular, por meio da utilização de “cookies” e outras tecnologias similares, com o intuito de garantir a melhor experiência de Titulares, bem como para análise estatística de tendências, administração das páginas na web e mídias, rastreamento do comportamento do usuário.

5.2.1 Os tipos de cookies utilizados são os seguintes:

5.2.2 Cookies relacionados ao serviço Google Analytics¹. Para mais informações sobre como o Google Analytics coleta e processa os seus dados pessoais, consulte os links a seguir: Privacidade e Termos do Google e Como proteger seus dados.

5.3 É garantido ao Titular o controle de uso de cookies por meio de configuração do navegador web, estando ciente que, em caso de desativação, poderá ser limitado o uso de determinados recursos e funções das páginas acessadas.

5.4 O Titular reconhece ser o único responsável pela veracidade das informações fornecidas quando da realização de seu cadastro e posterior utilização de Site e Aplicativo Mobile.

5.5 O Titular compreende que a Mais Dados poderá, a seu critério, proceder com as pesquisas e buscas necessárias para apurar a veracidade das informações prestadas, bem como a existência de dados incorretos, inverídicos ou desatualizados. Ainda, poderá solicitar informações e/ou documentos adicionais para a conferência das informações cadastrais fornecidas pelo Titular.

6. Armazenamento de Dados Pessoais

6.1 A Mais Dados armazenará os seus dados pessoais pelo tempo que durar a prestação dos seus serviços, mas também precisará manter determinados dados estritamente necessários após o término da sua relação com o Titular, para cumprir a lei.

7. Segurança de Dados Pessoais

7.1 A Mais Dados se responsabiliza pela adoção e manutenção de medidas razoáveis de segurança, técnicas e administrativas que visam à proteção dos dados pessoais contra situações acidentais ou ilícitas de destruição, perda, alteração, comunicação ou qualquer forma de tratamento inadequado ou ilícito, bem como processamento discriminatório de informações, conforme critérios definidos pelos melhores padrões de mercado e em legislação aplicável.

7.2 As medidas de segurança adotadas são: utilização de métodos de criptografia e anonimização dos dados tratados; adoção de mecanismos de autenticação de acesso aos registros capazes de individualizar o responsável pelo tratamento de dados e limitação de acesso aos locais de armazenamento de dados, dentre outras.

7.3 O acesso às informações armazenadas pela Mais Dados é restrito aos profissionais autorizados e qualificados para tanto, nos limites de sua necessidade para desempenhar suas funções e estão sujeitos às obrigações de confidencialidade.

7.4 A Mais Dados se compromete a informar ao Titular e aos órgãos de proteção de dados pessoais qualquer incidente de segurança que possa acarretar risco ou prejuízo relevante aos Titulares, em prazo razoável, justificando eventual atraso na comunicação.

7.5 A Mais Dados destaca que, nos casos em que o compartilhamento de dados pessoais de Titulares com terceiros seja necessário será assinado acordo de confidencialidade com aquele, garantindo-se o sigilo das informações compartilhadas, as obrigações legais e os limites do tratamento dos dados pessoais.

7.6 Nas hipóteses em que for requerido o consentimento do Titular para o tratamento, o compartilhamento de dados pessoais com terceiros será precedido de consentimento do Titular, cuja manifestação deverá ser livre, informada e inequívoca.

8. Direitos do Titular

8.1 O Titular poderá exercer, a qualquer momento, através dos canais de atendimento da Mais Dados, todos os direitos que lhe são garantidos pela Lei 13.709/2018 e outras legislações aplicáveis ao tema, tais como:

8.1.1 a confirmação da existência do tratamento de dados pessoais e acesso aos mesmos;

8.1.2 a correção de dados pessoais incompletos, inexatos ou desatualizados;

8.1.3 a anonimização, bloqueio ou eliminação de dados pessoais desnecessários, excessivos ou tratados em desconformidade com o disposto na Lei 13.709/2018;

8.1.4 a portabilidade dos dados pessoais a outro fornecedor de serviço ou produto, observados os segredos comercial e industrial;

8.1.5 a eliminação dos dados pessoais tratados com o consentimento do Titular;

8.1.6 a informação das entidades públicas e privadas com as quais a instituição realizou uso compartilhado de dados;

8.1.7 a informação sobre a possibilidade de revogar ou não fornecer consentimento, bem como as consequências dessa negativa;

8.1.8 a revisão de decisões tomadas unicamente com base em tratamento automatizado de dados pessoais que afetem seus interesses;

8.1.9 a requerer a aplicação das normas de defesa do consumidor na tutela da proteção de seus dados, quando aplicável;

8.1.10 a requisitar a exclusão de nossas listas de comunicação ou marketing, assim como o cancelamento do envio de mensagens e e-mail, caso não deseje mais receber.

9. Exercício de direitos de titular

9.1 A Mais Dados facilitará o exercício de direitos pelos titulares de dados, sempre que possível e nos termos da lei.

9.2 Em caso de requisições, dúvidas, sugestões ou reclamações relacionadas ao tratamento de dados pessoais por parte da Mais Dados, pedimos a gentileza entrar em contato com o encarregado, por meio:

9.2.1 do e-mail dpo@maisdados.com.br;

9.2.1 por envio de correspondência aos cuidados desta área no endereço Rua das Acácias, nº 622, bairro Eldorado, Contagem/MG, Brasil, CEP: 32310-370.

9.3 Quando o Titular entrar em contato com a Mais Dados para o exercício de seus direitos, a instituição poderá tratar dados pessoais para fins de confirmação da identidade do titular de dados, na medida de seu interesse e nos limites de sua segurança.

9.4 O Titular está ciente de que alguns de seus dados pessoais não poderão ser excluídos mediante simples requisição se existir obrigação legal de preservação daqueles.

9.5 A solicitação do titular para exclusão de algum dado pessoal de nossas bases poderá reduzir a qualidade ou inviabilizar os serviços prestados, sendo de inteira responsabilidade do requerente as consequências advindas dessa redução ou inviabilização de serviços.

10. Atualizações

10.1 A presente Política de Privacidade está sujeita a eventuais atualizações, a qualquer tempo e a critério da Mais Dados, sendo que tais alterações sejam consideradas como de aplicação e vigência imediata.

10.2 A atualização poderá ocorrer, especialmente, quando houver a implementação da Autoridade Nacional de Proteção de Dados – ANPD, que poderá emitir novas diretivas sobre os procedimentos descritos neste documento.

10.3 Esta é a Primeira versão da Política de Privacidade da Mais Dados, formulada em 22/01/2021. A versão atual da nossa Política estará sempre disponível para a leitura em https://portal.maisdados.com.br/Login.aspx

Belo Horizonte, 22 de Janeiro de 2021.

Data de atualização desta política: 22/01/2021.

   A plataforma de Cloud Service da Mais Dados Digital, a Mais Cloud, é uma solução de cloud computing desenvolvida para otimizar os seus resultados, acelerar a transformação digital, reduzir os custos e proporcionar segurança e organização dos dados do seu negócio.

   Em parceria com a Oracle, um dos maiores fornecedores de nuvem corporativa, criamos um ambiente híbrido, com diversos diferenciais em relação ao mercado e que possui artifícios exclusivos para servir como solução ideal para o segmento de atacado, varejo, distribuição e indústria.

   O que muitos não sabem é que a computação em nuvem serve também para agilizar o processo das empresas nas adequações impostas pela Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), que já está em vigor deste sexta-feira (18), trazendo diversas punições para as empresas que não estiverem devidamente adequadas. Apesar das multas só começaram ser aplicadas pela ANPD (Agência Nacional de Proteção de Dados) a partir de agosto de 2021, todas as empresas devem se adequar com urgência, já que o processo para ficar em conformidade com a lei leva de 4 a 12 meses, dependendo do tipo de negócio e tamanho da empresa.

Adotando a computação em nuvem, além de acelerar o processo de transformação digital para implementação de requisitos de segurança, as empresas pequenas e médias, que são as maiores vítimas de ataques cibernéticos e as que menos procuram por soluções tecnológicas, flexibilizam mais rapidamente para se adaptar às mudanças propostas pela lei.

  Utilizando os serviços de computação em nuvem, elas passam a contar com soluções avançadas de segurança, além de ferramentas capazes de detectar e evitar os mais diversos tipos de ameaças. Alguns tipos desta solução usam criptografia para proteger os dados em trânsito e em repouso. Assim, as empresas garantem a proteção total dos seus dados, pois mesmo que eles sejam interceptados, estarão inelegíveis para terceiros.

  Outro benefício potencializador desta ferramenta é a identificação dos dados armazenados nela. A LGPD dará aos consumidores o controle total sobre seus dados pessoais. Dentre outras coisas, os órgãos fiscalizadores da lei poderão exigir que os empresários tenham controle sobre quais os dados as empresas possuem, onde estão armazenados e para que estão sendo utilizados. Por isso, para se adequar à LGPD, sua empresa precisa contar com ferramentas de gerenciamento que forneçam respostas rápidas e precisas. A nuvem facilita essas atividades, visto que você passará a contar com todos os dados armazenados de forma centralizada. Ademais, as melhores soluções em nuvem oferecem soluções para pesquisa e gerenciamento de dados.

  Por fim, outra característica do processo de adequação às normas da LGPD dentro da computação em nuvem é a possibilidade de notificações de incidentes. A lei determina que as empresas que armazenam e processam dados pessoais devam comunicar à autoridade nacional e ao titular a ocorrência de incidente de segurança que possa acarretar risco ou dano relevante aos titulares em prazo razoável. Alguns tipos de computação em nuvem apresentam compromissos contratuais relacionados à notificação de incidentes. Com isso, as empresas receberão notificações imediatas sobre acontecimentos que envolvam seus dados e poderão proceder como recomenda a lei.

Desde 7 de julho, as consultas completas das NF-e via chave de acesso estão restritas no portal nota fiscal eletrônica. Na prática isso significa que apenas os participantes da operação, descritos no documento fiscal, poderão ter acesso à respectiva nota fiscal. E esta liberação está condicionada dois critérios e outros também já estão a caminho.

Hoje, para aqueles que possuem inscrição estadual, será necessário o certificado digital; todos os demais envolvidos na nota e que não possuírem essa inscrição continuarão com acesso normal, sem alterações, precisando apenas constar como participante na nota desde transportadora a outros que forem autorizados mediante a preenchimento em campos específicos, quando na emissão do documento.

Apesar de recente, esta alteração nas consultas já estava prevista desde 2018 (Ajuste Sinief 16/2018) e que deve, futuramente, abrir para consultas mediante a usuário e senha, mas essa ainda não está disponível. Outro impacto dessa medida e outras medidas é para as ferramentas pagas de consulta.

Exemplo disso é o serviço disponibilizado pelo Serpro, desde 1º de julho ele está impossibilitado por lei de disponibilizar mais as notas de terceiros para consulta. Se você ou sua empresa foi pego de surpresa, continue lendo, pois com o tempo veremos mais destas restrições, por isso é importante que as empresas auditem seus arquivos e se organizem para encarar com mais tranquilidade e sem imprevistos neste novo período.

Mesmo para aqueles que possuem uma boa contabilidade à disposição, é e será cada vez mais importante uma nova organização já que é de responsabilidade da empresa enviar estas informações ao seu contador.

Como ficará o setor fiscal da sua empresa?

Quem trabalha com escrita fiscal sabe que é preciso constantemente de uma série de ferramentas para que se faça a consulta das notas fiscais eletrônicas. E, se este documento não for escriturado corretamente pode gerar vários problemas a empresa. Em situações que vão desde um crédito de um imposto que você não vai estar aproveitando a omissão de informação e muitas outras situações problemáticas e que farão pessoas jurídicas perderem dinheiro. 

Por enquanto, alguns estados disponibilizam também o acesso do sistema de tributação e talvez você possa pegar as notas via site do estado, mas muitos já descontinuaram esta possibilidade e é uma tendência que pode virar regra geral a todo o país num curto ou médio prazo.

Dessa forma somente se identificando é que se terá acesso às notas fiscais. E voltamos a repetir que passa a caber aos empresários organizar o financeiro das empresas para disponibilizar esse material aos contadores, organização passa ser a palavra-chave. É imprescindível que todo o operacional da empresa esteja sincronizado e otimizado para evitar perdas ou erros nos registros fiscais.

Orientação da SEFAZ

A regra geral é que o emitente e o destinatário deverão manter as NF-e em arquivo digital pelo prazo estabelecido na legislação tributária para a guarda dos documentos fiscais, devendo ser apresentadas à administração tributária, quando solicitado. Assim, o emitente deve armazenar apenas o arquivo digital. No caso da empresa destinatária das mercadorias e da NF-e, e que seja emitente de NF-e, ela não precisará guardar o DANFE, mas apenas o arquivo digital recebido.

Em caso de sinistro ou perda do arquivo eletrônico das NF-e, seriam estas disponibilizadas para recuperação por parte da SEFAZ ou SRF? Não. Da mesma forma que a guarda das Notas Fiscais em papel fica a cargo dos contribuintes, também a cargo destes ficará a guarda dos documentos eletrônicos. 

Nossa solução: suas notas fiscais na nuvem e NÃO corrompíveis

Há 20 anos trabalhando com o futuro, sempre oferecemos aos nossos clientes as melhores ferramentas e suporte para que evitem erros e imprevistos em seus bancos de dados. No casos de notas fiscais não é diferente.

Se você tem ou vai adquirir um sistema de gerenciamento de documentos fiscais que automatiza e facilita o dia a dia das empresas e te livra de preocupações quando notícias como as restrições a consultas no portal da SEFAZ, você já escolheu a NFe Mais. 

Isso porque ela é uma solução integrada e online que oferece resultados significativos no processo da busca dos documentos fiscais. 

Possui uma interface acessível por navegador Web e permite a reimpressão e execução de downloads dos arquivos XMLs de forma rápida e segura, tendo todo o seu processo automatizado e organização. Em resumo, você gerencia todo o seu acervo de Notas Fiscais emitidas e recebidas em XML e acessa com visualização imprimível. Conheça o produto, solicite uma demonstração.

Confira dicas do Gartner para acelerar o passo para a nova Lei, que entra em vigor em agosto de 2020

Em agosto de 2020, as empresas terão de se adaptar à Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD). Porém, poucas empresas chegarão ao prazo com tudo pronto. Claudio Neiva, Research Vice President do Gartner, afirma que os líderes de TI devem estar atentos em sua preparação para os desafios de conformidade promovidos pela LGPD, de preferência seguindo estas cinco melhores práticas de gestão:

1. Nomeie um diretor de proteção de dados ou diretor de privacidade que atue fora da organização de TI ou de segurança, estabelecendo uma função satélite que seja capaz de supervisionar, sem conflito de interesses, e alinhar claramente as linhas de relatório à liderança.

2. Desenvolva um diagnóstico do real estágio de privacidade em que a companhia se encontra para criar um roteiro de ação totalmente baseado em riscos e demandas, estabelecendo objetivos claros em colaboração com os proprietários (os obrigatórios e os responsáveis) dos processos nas áreas de negócios.

3. Implemente políticas claras e plausíveis de retenção de dados trabalhando com os proprietários dos processos legais e de negócios.

4. Formalize a governança do programa de gerenciamento de privacidade, fornecendo orientações sobre os papéis e as responsabilidades de cada uma das partes interessadas que participam dos programas de gerenciamento de privacidade.

5. Desenvolva um plano separado para resposta à violação de dados, alinhando e aprendendo com os fluxos de trabalho tradicionais de resposta a incidentes de segurança.

Fonte: IT Fórum

Segundo a Azzure, empresa de armazenamento em nuvem da Microsoft, a demanda por serviços em nuvem cresceu em quase 800% neste período de quarentena por conta do coronavírus. 

Este dado indica que, mesmo que guiados pelas adaptações repentinas cobradas pelo momento, o número de  empresas que estão se atentando para a transferência de seus moldes de gerência e de assegurar a proteção de dados está aumentando cada vez mais.

A pandemia originada pela irrupção do vírus que causa a COVID-19 gerou diversas consequências e exigiu medidas imediatas por parte das empresas, como a adoção do regime home office. Exemplo disso é o Reclame Aqui, maior site de reclamações do Brasil, que acaba de realizar a migração de todo o sistema financeiro para a nuvem, conseguindo assim que 100% de sua equipe trabalhe remotamente. 

Em tempo recorde, o Reclame Aqui conseguiu o feito de totalizar a migração em apenas 24 horas, por meio da solução em nuvem. Tal fato evidencia que a cloud computing garante continuidade dos serviços durante a quarentena.

Diferente dos sistemas antigos, que necessitam de redes de dados internos, sistemas cloud computing são desenvolvidos para funcionamento pela internet e podem ser acessados de qualquer lugar.

Outro dado que demonstra que o movimento do Reclame Aqui não é isolado, e que não deve apenas ao cenário de pandemia, é o anúncio feito, no início do ano, pelo site de vendas Alibaba.

Este vai investir US$ 28 bilhões em computação na nuvem – quase o dobro do valor aplicado até 2019 pelo e-commerce. E, mundialmente, é possível ainda citar várias iniciativas neste sentido, especialmente em países asiáticos como Japão e China.

Você sabe de mais algumas? Comente.

O trabalho remoto e a segurança cibernética

Transformações que pareciam distantes se tornaram imperativas para a sobrevivência das empresas de todos os portes e até gigantes do varejo como o Magazine Luiza admitem isso. O motivo é conhecido por todos: a COVID-19. Sua disseminação acelerou o futuro do trabalho de forma abrupta, e quase que violenta, e o trabalho remoto está sendo implementado agora.
Ainda assim, o fato de a nuvem estar funcionando tão bem fomenta discussões futuras sobre as maneiras pelas quais a infraestrutura cibernética, a natureza do trabalho, a aprendizagem e a saúde em todo o mundo co-evoluirão.
Mas apesar de termos a alternativa para continuidade de muitos trabalhos, mesmo sob o distanciamento social, há ainda uma segunda ameaça com o crescimento da dependência da nuvem para a vida diária. Com essa ampliação de usos e usuários passa-se também a haver a uma explosão de incidentes de segurança cibernética.
Por isso, proteger contra malware e vírus da variedade de computadores pode não parecer tão mortal quanto o COVID-19, mas é preciso que procedimentos sejam adotados à cultura do trabalho.
A partir de agora, os ataques cibernéticos podem ter consequências devastadoras. Um ataque de ransomware bem-sucedido em uma escola, empresa ou hospital pode ser especialmente devastador.
O alerta consta em artigo da Universidade de Syracuse, Norte do Estado de Nova York. A instituição tem sua Escola de Estudos da Informação na nuvem e destaca que já trabalha para aprimorar a pesquisa e o engajamento para fortalecerem a disponibilidade de nuvem das comunidades de forma segura. Este texto, publicado em 1º de abril, faz apontamentos sobre ações que já podem contribuir de forma imediata para a proteção e agilidade do regime home office.

Regulamentos
Muitas organizações anteriormente proibiam o acesso remoto devido a preocupações de segurança e obstáculos regulatórios. Seguindo as estruturas e diretrizes, os serviços em nuvem podem ser seguros e protegem a privacidade e outros direitos.

Conhecimento e conscientização sobre segurança da informação
Com mais pessoas acessando remotamente, aumenta-se o risco de roteadores domésticos, computadores e dispositivos de IoT, como webcams, que podem não estar bem protegidos contra malware, vírus e outros ataques. Adotar boas práticas junto aos colaboradores resolve esta fragilidade.

Agora, comentem se já iniciaram alguma rotina de segurança cibernética.

O emitente da NF-e deverá obrigatoriamente manter por um período mínimo de 5 anos os arquivos eletrônicos da NF-e destinados a ele, bem como emitidos por ele, sob pena de MULTA que pode chegar a MIL REAIS por documento – lembrando esta legislação pode variar de acordo com cada estado da Federação. Vale lembrar ainda que o prazo de 5 anos pode ser estendido por mais 5 anos, caso o contribuinte sofra algum tipo de fiscalização acerca dos documentos fiscais.

Por isso, se faz necessário uma boa gestão desses arquivos. O contribuinte precisa então de um meio que permita a ele acesso fácil e rápido aos documentos eletrônicos. Em uma possível fiscalização poderá ser necessária a entrega de vários arquivos e estes de períodos diferentes. Portanto, com o auxílio de uma ferramenta de gestão, o trabalho se torna mais rápido e assertivo.

Através da ferramenta do NF-e Mais, é possível realizar vários filtros para o acesso aos arquivos XML bem como a reimpressão do DANFE. Existem também formas de exportação de documentos em massa, agilizando o processo de obtenção destes. O NF-e Mais possui uma integração nativa ao ERP Winthor que permite a gestão da entrada de notas, nela o usuário pode visualizar por exemplo se uma nota destinada a ele já teve sua entrada realizada no Winthor.

Vale lembrar que nossa ferramenta, foi reformulada para trabalhar seguindo as diretrizes da nova Lei de Proteção de Dados (LGPD), que entrará em vigor no dia 15 de agosto de 2020.

Por manipular documentos fiscais, que por ventura possuam dados sensíveis tais como CPF, e-mail ou endereço devemos seguir as normas da nova lei, isso porque ela prevê multas pesadas ao contribuinte que não se adequar a tais normas. Enfim, com o NF-e Mais, o contribuinte conta com agilidade, gestão de documentos, redução de custos operacionais, segurança de dados e atendimento a legislação.

A CES 2020 aconteceu nos dias 7 e 8 de janeiro e é uma das maiores feiras tecnológicas que existem. O evento foi sediado em Las Vegas e contou com a presença de mais de 150 mil pessoas do mundo inteiro que se interessam por tecnologia empresarial.

Displays, carros autônomos, análises de dados e até Inteligência artificial foram novidades marcantes na feira. Dentre todas elas, uma tecnologia muito conhecida por nós da Mais Dados Digital estava sempre presente. O sistema de armazenamento de dados cloud computing esteve por trás de boa parte dos avanços tecnológicos apresentados na CES 2020, trazendo para as inovações do ramo tecnológico o suporte exato para que elas aconteçam de forma mais eficiente.

Isso porque a maioria dispositivos empregam o sistema como suporte para gerir suas funções de processamento de dados. Exemplo disso são os assistentes digitais que usam a computação em nuvem para processamento de back-end, os wearables, as TVs inteligentes, os sistemas de direção autônomos, os dispositivos de rastreamento e até os utensílios de cozinha inteligentes. Todos eles devidamente abarcados por um sistema cloud computing.

E o que isso mostra? É a comprovação de que o boa parte dos serviços de consumo tornou a tecnologia cloud computing mais do que atraente para a maioria das pessoas (e das empresas) – tanto para o próprio produto quanto como parte da fabricação, logística ou vendas.

Dito isso, podemos afirmar que todos os provedores de tecnologia creem que as suas soluções são as principais de todo o mercado. É preciso que essa inovação construa coisas novas, e misturar tecnologia e criar novas ferramentas será a grande tendência. Cloud computing é um sistema para tecnologias emergentes e também para as já existentes; é um ambiente único.

Impactos na economia

Mudando um pouco de assunto, mas ainda para testificar a importância da presença dessa tecnologia no meio empresarial, recentemente alguns executivos foram entrevistados pelo estudo “Tendências para Transformar Sua Empresa em 2020”, realizado pela CI&T – empresa especializada em transformação digital, em parceria com a Opinion Box.

O estudo tinha como objetivo saber como eles avaliam as tecnologias e o impacto delas em suas empresas. O resultado foi que a cloud computing será uma das principais responsáveis pelo crescimento dos negócios neste ano de 2020, juntamente com a IoT (Internet of Things – ou Internet das Coisas), a inteligência artificial e os assistentes virtuais.

Se está pensando em incluir o sistema de cloud computing no cotidiano da sua empresa, basta agendar uma reunião com a Mais Dados Digital para conhecer nossas ofertas e produtos.

topo